quarta-feira, 23 de maio de 2018

10 dias que abalaram o mundo - John Reed

Hoje reparei que já não leio um livro há meses!! Pensei em reler um que me tivesse impressionado e me tivesse deixado saudades e ocorreu-me O Admiravel Mundo Novo e lembrei-me inevitavelmente do Jim Morrison e The Doors Of Perception do mesmo autor, também da Cidade e as Serras do Eça, ou até a Queda de Um Anjo do Camilo.... mas a sorte caiu para 10 dias que abalaram o mundo do John Reed, que recordo viveu a Revolução Russa muito de perto e conheceu Lenine e Trotsky.

Quem já lá tenha estado e ouviu (e viu) como a família imperial vivia em Moscovo e St. Petersburgo, enquanto o povo miserável morria à fome, logo perceberá porque houve uma revolução e porque aconteceu daquela forma cruel, mas este livro ajuda a compreendê-la de uma forma brilhante!


Um sugestão de leitura!!!

quarta-feira, 21 de março de 2018

Prof. Dr. João Calvão da Silva - uma sentida homenagem

Poucos saberão, mas um dos principais aliados da defesa da Transplantação Pediátrica em Coimbra era o Prof. João Calvão da Silva.

Comecei a ouvir falar dele no Curso de Direito e li alguns dos seus textos, mas nunca foi meu professor. Um dia, conheci-o por ocasião do lançamento do meu livro em Ovar!

Fomos almoçar juntos, eu o Professor Linhares Furtado, o Prof. Daniel Serrão, o Prof. Calvão da Silva, as N/ Esposas, a Inês, a Patrícia e o Alex.

Eu fiquei precisamente ao lado do Prof. João Calvão da Silva e fiquei maravilhado com as histórias, com as anedotas, com o humor permanente, enfim, ele sozinho, conseguiu criar um clima descontraído e fantástico.

Depois disto, ele convidou-me para participar num Curso em Coimbra e como me era impossível participar, combinámos que o faria noutra altura o que infelizmente nunca aconteceu!

Um dia, quando a transplantação hepática estava "nas ruas da amargura", porque o Dr. Emanuel Furtado tinha saído e as crianças passaram a depender de Madrid, foi o Dr. João Calvão da Silva que me ouviu e que levou ao então primeiro ministro e ministro da saúde, uma minha carta onde demoradamente e exaustivamente, defendi uma determinada solução, que na altura parecia utópica e impossível de se concretizar, mas passados poucos meses e com a preciosa ajuda do Prof. Linhares Furtado, acabou por prevalecer!

Nunca lhe agradeci convenientemente a ajuda que deu ao País, porque estou convencido que o seu apoio foi efectivamente fundamental para o sucesso do que conseguimos e por isso hoje temos um programa de transplantação hepática pediátrica a funcionar em pleno!





À sua Esposa a Dra. Ana Maria Calvão, directora do Gabinete Coordenador de Colheitas e Transplantação do CHUC e familiares directos, os meus sentidos pêsames.


O Sr. Prof. João Calvão da Silva era uma pessoa excepcional, um académico brilhante e um ser humano notável!

Sr. Prof. João Calvão da Silva, um grande abraço para si onde quer que esteja!



quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Este sorriso dava um filme... Por Mário Augusto

Este sorriso dava um filme... Leiam porque é com todos, mesmo com aqueles que acham que nada têm nada a ver com isto.

A indiferença deveria pagar imposto e deduzir no IRS sempre que mostrámos o quanto nos preocupamos genuinamente com os outros que sofrem algum tipo de dor, estigma ou injustiça nessas atitudes de uma sociedade regulada e padronizada. Vive-se no mundo da hipocrisia, gostamos de padronizar e não somos capazes de olhar para a diferença com uma atitude solidária e verdadeiramente sã de valores ou consciência quantos passam ao lado... Passamos num disfarce por egoísmo. Olhamos de soslaio e gritamos para dentro: “coitadinhos” como quem pede expiação com medo que se pegue. Temos boa desculpa: os tempos são duros e de incerteza! Pois são... mesmo muito duros. Mas reparem: são muito mais duros ainda para quem, ao nascer, foi marcado por uma circunstância de parto, de infeção, de negligência ou sabe-se lá mais o quê que possa ter acontecido e que ditou uma condicionante de vida, para a vida. Pois, pois... mas não é só aos outros que acontece, pode bater à nossa porta. Aí é que se grita: “Aqui d’el rei! Quem acode?”. Aí percebemos que não há quem nos acuda. E sabem porquê? Porque os outros (que também éramos nós) também passam ao lado por egoísmo. Por falta de tempo. Por indiferença. Por hipocrisia. Quando assim é, há a tendência para aquele sofrimento à flor da pele, aquela comichão que passa com água e sabão social. Tratamos brevemente, para a seguir enxugar a mão que afagou a dor. Eu sou pai desta jovem sorridente, uma jovem com paralisia cerebral, a grande Rita. Não imaginam o que vemos na falta de sensibilidade (até de muitos técnicos de saúde) para lidar com a diferença. Eu sei do que falo: nada custa mais do que a insensibilidade e a indiferença. Nada mais dói do que ver uma criança chorar em esforço por tentar fazer um movimento tão simples como mover um pé e este não respeitar a ordem do cérebro e o passo não se dar, não seguir em frente. Lembra-se de ver o seu pequenote a correr pela primeira vez atrás de uma bola? Aquele primeiro trambolhão de passo atabalhoado e de descoberta? O primeiro “gu-gu, dá-dá”?... Pois! Pensem nisso, porque há pais que nunca experimentaram essa sensação, estão em dor constante lá no fundo. Contudo, eles descobrem outras felicidades que os ditos filhos normais não dão pela – dita – normalidade padronizada. Pode explicar-se muito sobre a dor, talvez até encontrar a fórmula química e desenhar os gráficos dessa dor no cérebro, mas só quem experimenta é que sente. Fazer a felicidade a alguém frágil e desprotegido é como trabalhar uma peça de artesanato única, uma filigrana de pequeninos fios que, juntos e enleados, mostram uma beleza que – de per si – eles não guardavam. É isso que é ajudar alguém com paralisia cerebral (cá para mim, nome feio e inadequado ao que realmente é). Conheço mil e um casos de paralisia cerebral, filhos de pobres e de ricos, analfabetos e doutores (até médicos também foram tocados por essa seleção), mas é preciso tão pouco para dar muita felicidade a quem sofre. Há, todos os anos, cerca de 200 novos casos de paralisia cerebral. Estão sinalizados cerca de 20 mil no nosso país, com vários graus de dificuldade e lesões. Mais do que lidar com o problema, a dificuldade está em lidar com a falta de sensibilidade social para ajudar e compreender os que sofrem com este estigma. Há 18 anos que andamos em família a lutar contra moinhos de vento, tentando ajudar a minha filha a sorrir. Que bom…conseguimos que ela não só sorria, mas que ria á gargalhada a olhar para vida... Alguém pergunta, na escola, na clínica, na segurança social, nas juntas médicas, nos organismos (quase todos eles) os que são obrigados a faze-la sorrir e a tratam como um numero de estatística, o quanto custa esse sorriso e gargalhadas de vida? O que queria era conseguir (e tudo está no bom caminho) é que ela aprendesse a lutar contra a hipocrisia e a indiferença de muitos que não sabem o que é sofrer por ser diferente. Às vezes, basta a atitude de um simples gesto. Se o mundo é redondo e gira, a vida dá muitas voltas. Quem sofre, está de alguma maneira mais preparado para essas voltas que o mundo dá. Por vezes não vale disfarçar a hipocrisia, fugir ou ignorar, será esse mundo que é de todos (inteligentes ou diminuídos, atletas ou incapacitados, invisuais ou caixas de óculos) será o mundo a encarregar-se de dar a sua volta, passa de novo por nós. Por vezes surpreender na volta mesmo a quem não está a acenar. Deu-me para este desabafo porque encontrei esta foto da Rita a sorrir e lembrei-me do longo percurso feito e o que há para fazer por todos os que sofrem pela diferença e ignorância dos outros. Pensei na felicidade que mostra, pensei nos outros que não podem sorrir assim. É uma foto antiga onde ela está a aprender a sorrir e agora que esta quase a chegar á idade adulta, fiquei a refletir quanto ela é forte, qual Dom Quixote luta contra os moinhos de vento das regras formalismos e ignorância, talvez burrice hipócrita de muitos com quem se cruza....Ainda bem que sorris Rita, assim sempre desarmas muitos dos que só sorriem em tom amarelecido, ou apenas esboçam o sorriso porque nem sequem sabem viver para passar a traço fino esse desenho de boca que lhes fica estático... Desculpem o desabafo. Podem partilhar porque sempre desinquietam uns quantos que nunca se inquietam com a diferença.

Mário Augusto


sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Luanda ... 42 anos depois

Nos andares superiores ao R/C, no do meio, vivia eu há 42 anos atrás!!

O prédio do outro lado da rua, no meu tempo era quase novo...
Aqui em baixo vê-se em cima e a meio, a janela da Cozinha, que era de correr para a parede do lado esquerdo e agora já não é.
Como se pode ver, a varanda já não existe, pois foi toda tapada com janelas fixas e na parte do painel acrílico, tem uma meia parede de tijolos.
No meu tempo, o sítio onde os carros estacionam agora, era passeio. O N/ passeio para os carrinhos de rolamentos e corridas de caricas!

Nesta foto em baixo, vê-se um bocadinho do tal prédio, que agora tem aquele aspecto degradado. O prédio fazia uma espécie de dente e por isso, esta parte era visível do N/ prédio, mas na foto actual do cimo, esse dente não aparece visivel.
 Os meus amigos...
 A Paula com a minha prima Nini ao colo.
O meu Pai e a colecção de selos.
O Gentil, o Orlando (irmão da Paula), o meu irmão Carlos, Eu, o Navarro (de Cuba - Alentejo), o Delmar e... no final a Paula. Que me desculpem os outros, mas não me lembro do nome! Falta o Betuca, que deve estar escondido, irmão do Gentil e do Delmar.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Amigo Salvador Sobral

Neste meu “post” de 26/03/2017
http://lutarateviver.blogspot.pt/2017/03/salvador-sobral-e-luisa-sobral.html ,
escrevi “desejo-te muita e BOA SORTE para a tua saúde e um bocadito só de sorte para a Eurovisão, pois deve ser suficiente …”
Com efeito foi suficiente e aquilo que alguns achavam impossível e outros até ridicularizaram, aconteceu e tu ganhaste e nem sequer foi preciso o “bocadito” de sorte que te desejei!
Mas também te disse, “Caro Salvador, não te conheço pessoalmente, mas dou-te um forte abraço e se necessitares mesmo de um transplante (…), coragem, pois será a luta mais importante da tua vida e essa sim, terás de vencer!”
Coragem Salvador, se puderes lê o “Lutar Até Viver”, talvez te ajude um pouco neste momento difícil, mas se não o puderes fazer, acredita e tem fé que vais conseguir! Todos rezaremos por ti para que venças esta fase difícil!

MUITA FORÇA E BOA SORTE SALVADOR!

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Ibiza e o Hippie que afinal é de Amesterdão!!

Depois de tantos anos a passar férias em Ibiza, não posso deixar de me admirar por ainda ficar surpreendido com algumas coisas que lá se passam!

Em cada novo ano, percebemos que Ibiza é cada vez menos a "nossa" Ibiza e cada vez mais o negócio, um gigante negócio diga-se e a inocente comunidade Hippie vai perdendo a "virgindade"  e cada vez mais os confundimos com uns desenvergonhados "homens de negócios" e acabamos por reparar que o Senegalês Moustafa que vende panos na praia de Cala Tarida e que até nos surpreendeu por ter Cartão de Cidadão Português, acaba por ser mais genuíno que todo aquele teatro que nos rodeia e começa a incomodar!



Esta história é hilariante!! Então a Pachá andou a "explorar" esta imagem durante anos, sem autorização, como representativa genuína da comunidade Hippie e afinal a pequenita holandesa da foto, já quarentona, na primeira vez que visitou a ilha deparou com a sua gigante foto com o Pai, numa festa Hippie da mesma Pachá em Ibiza!!!



Vá lá, que a "Paz e o Amor" deram para perdoar e tudo se esqueceu, mas livraram-se de um processo que até teria a sua piada!

A foto mais popular de Ibiza, afinal é ... de Amesterdão!!


Tomem lá com um Hippie de Ovar!!


E agora uma imagem do Sol em Ibiza, mas ao contrário, ou seja, aplaudem o "Pôr do Sol", eu ofereço-vos o "Nascer do Sol" 


Viva Ibiza, mas perdoa-me Ibiza, está tudo cada vez mais "Fake". O mar, esse, por sorte ainda está igual!


Já, agora... e não é que este ano encontrámos o Jim Morrison e a Janis Joplin, a namorar!




segunda-feira, 31 de julho de 2017

E finalmente chegou o dia da ida ao Dragão!

O Illia delirou com este Domingo fantástico! Nunca mais o esquecerá!

Desde que percebeu, que ia apoiar o Porto, vestiu a camisola de corpo e alma!! Parecia Dragãosinho desde que nasceu!





Próximo "programa" será a Feira Medieval na Vila da Feira!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Alex - 13 anos de Transplante

Faz hoje 13 anos que o Alex foi transplantado.

Como habitual, assinalo aqui a data com a memória especial e com muito carinho de todos os que permitiram o seu "renascimento".

Grande abraço ao Dr. Emanuel Furtado e milhões de beijinhos à Dra. Isabel Gonçalves e a todos aqueles os que estiveram com eles quer no Pediátrico, quer no HUC!

Obrigado!

Verão Azul - DN



terça-feira, 18 de julho de 2017

Verão Azul - Meninos de Chernobyl

Apresento-vos o Illia !

O Illia vive perto de Chernobyl e veio a Portugal passar férias por causa do "Projecto Verão Azul", patrocinado em Portugal pela Liberty Seguros.

Estes meninos que vivem em zonas expostas a muitas radiações, necessitam do iodo que o N/ ar marítimo tem em abundância, para que possam ter um pouco mais de longevidade no seu horizonte!

Foi a primeira vez que o Illia viu o mar!

Imaginem como foi !!





quarta-feira, 28 de junho de 2017

China, Macau e Hong-Kong

A Viagem Generali 2017
Obrigado Generali








segunda-feira, 5 de junho de 2017